Insights empreendedorísticos: direto da sala de aula de Harvard

Março de 2013, aula de empreendedorismo com o Professor Noam Wasserman, autor do best-seller “Founder’s Dillemas“, e uma surpresa: ao invés dos clássicos (longos) cases onde conflitos reais de business são discutidos, os alunos são instruidos a não se preparar para a aula e chegar com a cabeça aberta. Bem, na frente da sala de aula sentam quatro sujeitos curiosos, não parecendo os típicos executivos e CEOs que frequentemente visitam a Harvard Business School. São eles: Jay Batson, Jules Pieri, Tony Tjan e Russ Wilcox.

Empreendedores experientes, eles vieram para responder qualquer pergunta levantada pelos 60 alunos ali presentes. O calibre dos caras é surpreendente: de tecnologia, passando por design, até a invenção do e-book! Isso mesmo, a matéria prima para o Kindle, o livro eletrônico da Amazon. Mas chega de blablabla, o ponto desse post é compartilhar as lições mais interessantes ali aprendidas. Após a discussão, o Professor Wasserman pediu para que cada aluno o enviasse o que mais lhe chamou a atenção nas respostas do painél empreendedor. Abaixo segue a tradução literal do melhor dessas respostas:

“Eu fiquei nervoso quando o painel falou sobre a importância de ‘realmente escutar’ porque eu estou tão empolgado com minha startup que talvez não esteja realmente ‘escutando’ a reação do mercado, ou talvez não esteja criando situações para estar exposto a feedback negativo”.

“A falta de autoconhecimento e não estar aberto a escutar são as principais falhas de um fundador. E você também não consegue fazer uma startup acontecer sozinho”.

“Trabalhe com uma ideia revolucionária! A vida é muito curta para trabalhar em algo apenas incremental ao que já existe. Também viva uma vida mais simples, porque o seu nível de stress está relacionado ao quanto de dinheiro você precisa final do mês”.

“Manter as contas da sua empresa e sua conta (a pagar) pessoal o mais baixo possível é essencial para viver uma vida (relativamente) sem stress como fundador e empreendedor”.

“Para ser um fundador de sucesso o indivíduo precisa ter o seu negócio muito bem alinhado com sua proposta de vida. Ele deve estar integralmente dedicado ao business e não tentar fazê-lo em paralelo a outras atividades”.

“Quando você faz o ‘pitch’ da sua ideia, o que os investidores mais procuram é compreender e sentir a energia e determinação das pessoas envolvidas no negócio, e não puramente focar nas análises financeiras”.

“Quando um dos empreendedores me disse que ele não tinha nenhuma ideia para uma startup ele me deu esperança! Ao invés de ter ideias, ele falou que podemos procurar co-fundadores que tenham ideias boas. Isso me deixou muito tranquilo e autoconfiante porque eu não tenho minha ideia, no entanto quero realmente ser um empreendedor”.

“O coração (ou paixão) é 65% do sucesso em empreendedorismo, e você não consegue fazer acontecer se não estiver dedicado 100% na ideia. Você está 100% dentro ou completamente fora. E isso envolve fazer sacrifícios na sua vida social e condições de vida. Foi inspirador escutar do criador do livro eletrônico que ele teve que se mudar para uma casa mais simples, no subúrbio de Boston, com mulher e 2 filhos pequenos, para que seu business não quebrasse”.

“Empreendedorismo sem paixão é muito difícil, senão impossível. O caminho que leva ao sucesso é realmente esburacado e a única forma de ter resiliência e determinação para continuar em frente é fazendo o que você ama!”.

“Uma característica importante em empreendedores: a busca pela verdade e coragem para encarar a verdade de frente, o que se traduz em humildade”.

“Ninguém começa um negócio novo com todos as habilidades e preparação necessárias, até mesmo aqueles que já fundaram empresas. Saber escutar e a habilidade para aprender rapidamente são cruciais para vencer esse desafio”.

“Encontrar uma rede de pessoas dispostas a ajudá-lo e encorajá-lo a seguir em frente quando a peteca cair é absolutamente crítico para um fundador. Essa rede pode incluir amigos, esposa, família, co-fundadores, membros da equipe, mentores, etc”.

Faltou alguma coisa?